Usabilidade e a regra dos 8 segundos.

by Rafael Pereira
0 comment

Se você gosta, vive, estuda ou simpatiza com o universo digital então já ouviu falar de algumas regras e propostas como a dos 3 cliques, mobile first e dentre diversas delas a famosa regra dos 8 segundos!

Muita gente diz que é o tempo médio que a tomada de decisão entre o primeiro clique, o carregamento do site e a vontade de comprar acontece. Dentro disso temos a lei de Fitts e a lei de Higgs que nos mostram o tempo médio que tomamos a decisão do clique e o tempo que levamos para clicar.

Mas porque este número mágico de 8 segundos?

Bom, existe uma explicação bem interessante e no mínimo diferente, o ser humano só consegue dar atenção à algo por 8 segundos. Isso mesmo, 8 segundos e isto vem piorando, em 2000 o mesmo estudo feito pela Microsoft mostrou que nossa capacidade de atenção durava 12 segundos.

No estudo, feito com mais de 2100 pessoas, dividido em duas etapas, uma mais física, com a ajuda de vídeo games e uma segunda etapa com as atividades cerebrais monitoradas, foi demonstrado que o ser humano se concentra menos tempo que um peixinho dourado. Não, você não leu errado, um peixinho dourado consegue manter a atenção durante incríveis 9 segundos.

Esta piora está diretamente ligada a o uso de devices móveis e aos novos costumes de consumo.

O relatório da pesquisa ainda indica que a coisa complica mais quando estamos falando de conteúdos com texto, principalmente em ambientes com múltiplas telas e muitos estímulos. Sendo o texto o item que mais atrapalha a concentração.

Apesar de parecer muito ruim, o estudo também indica pontos positivos, um deles é que o uso destes devices nos ajuda a ser mais “multitarefa”,  chegando a conclusão que quanto mais hábitos digitais a pessoa tem, mais multitarefa ela é.

O mais incrível disto é notar que em poucos anos, desde a era do smartphone se iniciar em 2000 as mudanças de hábitos causaram modificações reais em nossos cérebros, melhorando algumas coisas e piorando outras em prol da evolução. Incrível não?

E isto muda todo o jogo para o mercado.

A G+P tem um trabalho muito profundo junto a Neuro Marketing e UX, principalmente para e-commerces e aplicativos, e neste cenário é notável o quanto.a maioria dos clientes estão despreparados para este novo mundo e este novo consumidor, que tem uma atenção menor que a de um peixe.

E tudo isto demonstra ainda mais a importância de uma arquitetura da informação bem montada e dos conteúdos áudio visuais na tomada de decisão.

Sua empresa está preparada para este mundo?

Boas vendas!

You may also like

Leave a Comment